sexta-feira, 12 de outubro de 2012

ENTRANDO NA BRIGA!

CADA DIA QUE PASSA VEMOS O APODRECIMENTO DA POLÍTICA NO BRASIL, É VERGONHOSA, DESCARADA A ATITUDES QUE TOMAM ALGUNS POLÍTICOS, ATÉ MESMO AQUELES QUE NOS ESFORÇAMOS PARA ACEITAR COMO HONRADOS E SÉRIOS. INFELIZMENTE COM A RAPIDEZ DO RAIO ELES MUDAM DE POSIÇÃO, IDEOLOGIA, ATITUDE, O QUE IMPORTA É  A MANUTENÇÃO DO PODER OU COMO CHEGAR A ELE, POR MAIS QUE FAÇAM DESVIRTUAM A ARTE DA POLÍTICA VISANDO APENAS LUCRO.
MUITOS SABENDO O QUE SIGNIFICA A PREFEITURA DA MAIOR CIDADE DO BRASIL, VERGONHOSAMENTE, APRESAM-SE EM APOIAR O CANDIDATO QUE LHE POSSIBILITARÁ PODER E ACESSO AO COFRE DA NAÇÃO.    
VISTO QUE NÃO ADIANTA, O SUPREMO JULGA A COMPRA  DE PARLAMENTARES SAFADOS, RATOS, ESCROQUES  QUE SE ALIARAM E ALIAM A OUTROS SAFADOS PARA MANUTENÇÃO  DO PODER, MAS, QUE FAZER QUE ELES CONTINUAM COMPRANDO, USANDO MÁQUINA PÚBLICA, DINHEIRO PÚBLICO, COMPRANDO CABRAS SAFADOS PARA VIABILIZAR A CHEGADA AO PODER DE UM DOS SEUS ASSECLAS.
O SUPREMO JULGA O QUE PASSOU HÁ SEIS ANOS, E PORQUE NÃO VÊ O QUE ESTA OCORRENDO AGORA EM SÃO PAULO, A TRAMA REPETE-SE, OS COMPRADORES DE PARLAMENTARES SAFADOS ESTÃO USANDO NOSSO DINHEIRO E O PODER QUE LHES FOI DADO PELO POVO PARA MANTER O PODER, UQANTO CUSTARÁ CADA ALIANÇA? UM MINISTÉRIO, UMA SECRETARIA? EXISTE DIFERENÇA ENTRE QUEM COMPRA OU VENDE NESSES CASOS, NÃO! TODOS SÃO SAFADOS, RATOS, LADRÕES IGUIS A DIRCEU, LULA, GENOINO, VALÉRIO, DELÚBIO E O QUE VIR MAIS. VOU ENTRAR NA BRIGA. CIDADÃOS FORMAM UM NOVO PARTIDO, EU STAREI COM ELES.
A PREFEITURA DE SÃO PAULO É A MINA MUITOS DARÃO O QUE JÁ NEM TEM, HONRA, ÉTICA E CARÁTER PARA COLOCAR LÁ SEUS CUMPLICES. 
ESTOU NA BRIGA, SOU "U.R.N.A". - Alberto Figueiredo
___________________________________________________________________________________
Ave Dilma, stulti te salutant
“Muitos juízes estão sendo estigmatizados pelo populismo penal midiático e isso coloca em risco, cada vez mais, a garantia da justiça imparcial e independente. O risco sério é a célebre frase ’Há juízes em Berlim’ (que glorifica a função da magistratura de tutela dos direitos e garantias das pessoas frente aos poderes constituídos) transformar-se num vazio infinito com a consequente regressão da sociedade para a era selvagem da lei do mais forte, onde ganha não a justiça, sim, quem tem maior poder de pressão. “
Luiz Flávio Gomes, juiz e cientista político.
 É permitido (ou correto) ao indivíduo, investido de um cargo político ou diplomático, comportar-se como cidadão comum, mesmo quando fora de seu ambiente de trabalho ?
Já disse aqui, mais uma vez, e agora volto a repetir: Muitos políticos, e raros diplomatas, parecem não entender, por exemplo, o que representa o seu cargo, confundindo figura pública com sua própria pessoa.
Quando um homem (ou mulher) assume um cargo pelo voto, sua vontade, seu desejo, seus interesses pessoais deixam de existir, fazendo com que sua função seja equivalente àquela do “sacerdócio“. Assim como os sacerdortes devem ater-se ao dogma, às regras da religião que abraçaram, o mesmo devem fazer os governantes, esquecendo que durante seu tempo de “figura pública”, seja nos seus momentos de lazer pessoal ou ao se fazerem representar publicamente, quem age, quem é visto, quem fala é o “espírito da coisa pública”, sendo irrelevante a vontade de quem o incorpora.
Inexistem a vontade e/ou o desejo pessoal. O presidente de uma nação, por exemplo, é uma INSTITUIÇÃO e não uma pessoa. Quem incorpora, por assim dizer, esse "espírito", deve agir de acordo com o que a instituição prevê e não com seus interesses, sejam pessoais ou de grupos.
Contrariando todos os protocolos institucionais, a presidente da República, ao custo de dezenas de milhares de reais, "abandonou" seu posto, deslocando-se de Brasilia a São Paulo, com todo seu séquito.
A chefe do Executivo foi à maior cidade do país, para se encontrar com seu antecessor, o ex-presidente Lula que, atualmente, não exerce qualquer cargo de relevância para o país. À portas fechadas, permaneceram por diversas horas, no escritório da Presidência na capital paulista, a presidente da nação, seu antecessor e os ministros Aloizio Mercadante, Fernando Pimentel e Gilberto Carvalho, além de Marco Aurélio Garcia, num inequivocável uso da máquina pública em favor do candidato do PT à prefeitura de São Paulo.
CIRCUS MAXIMUS
 
 
 
 
O que foi o mensalão, se não o emprego de recursos públicos para beneficiar um governo, aprovando seus projetos?
Essa mesma trama criminosa se faz presente quando a presidente nomeia uma ministra de Estado. Também se evidencia quando promete nomear outro para tentar eleger seu candidato. Em outras palavras, são cometidos os mesmos crimes que hoje levam os tais mensaleiros ao "banco dos réus".
O presidente da República é pago pela nação para tratar dos interesses da população, de suas instituições, da família, da soberania nacional e da proteção do território sob sua custódia. O presidente não é pago para tratar de assunto exclusivamente partidário, mobilizando seu staff e privatizando recursos públicos em favor de um candidato.
Ler, todo santo dia, os comentários sobre o mensalão é uma tortura, pelo menos para mim. Não consigo deixar de me espantar com a ingenuidade da gente da minha terra que não percebe que existem dezenas de mensalões sendo praticados, há muito tempo, bem debaixo de suas barbas.
Entendo que a evidência da mentira e da desonestidade, machuquem, maltratem, fazendo a pessoa se remexer na cadeira como se tomasse choques elétricos. Mesmo quem não é alvo da farsa, provavelmente irá sentir uma sensação mista de impotência e de inconformismo diante de tanta patifaria. O que não entendo é como se deixam manipular dessa forma, sendo direcionados para uns, ao mesmo tempo em que têm suas atenções desviadas de outros. E quando digo outros, quero deixar claro que nesse exato momento estão acontecendo eventos muito mais preocupantes e graves do que o que rola sob a lona do circo dos mensaleiros.
O que aconteceu no tal mensalão que não tenha sido constatado como ato de ilegalidade? Alguém por acaso, alguma vez que fosse, negou isso? Penso que ninguém, absolutamente, tenha negado a ação de práticas ilegais no esquema do circo máximo apelidado de mensalão.
Se o que se julga neste momento no Supremo é um sistema de financiamento de campanhas eleitorais que admite recursos privados - facilitando a compra de políticos por setores do empresariado nacional - por que então, a presidente da república não divide o banco dos "réus" mensaleiros'?
Por que demonstra não estar nem um pouco preocupada com os acontecimentos, já que usa, descaradamente, a máquina administrativa do Estado em favor do seu candidato?
Simples: Porque sabe que tudo não passa de uma farsa.
Ela está, ou não, usando dinheiro público para aprovar algo que é de seu interesse privado? Está, ou não, usando o dinheiro do contribuinte para se deslocar de seu gabinete, ir a São Paulo, reunir-se com o seu partido fora de convenção, com o firme propósito de eleger seu candidato à prefeitura da maior cidade do país ?
Ora, meus caros. Convenhamos !!!
O cidadão consciente, bem-intencionado, interessado unicamente no bem comum e na defesa das instituições que deveriam servir a nos salvaguardar, indistintamente, precisa entender que é imperioso existir um parâmetro único para definir quem fez o que, quando e como. Do contrário a justiça nunca poderá ser dita "igual para todos".
Por que será, por exemplo que o senhor Daniel Dantas ficou fora da lista dos acusados e suspeitos? O inquérito do delegado Luiz Zampronha, da Polícia Federal, mostra que, sob controle de Daniel Dantas, a Brasil Telecom assinou um contrato de R$ 50 milhões com as agências de Marcos Valério. Banqueiro com cadeira reservada no núcleo das privatizações do governo FHC, Daniel Dantas também queria favores especiais do governo Lula. Pagou com contrato e isso todo mundo sabe. Está no inquérito, que o delagado elaborou e enviou ao procurador Roberto Gurgel. Nele, a PF observa que a vontade de se acertar com Marcos Valério era tamanha que sequer pediram uma avaliação técnica da agência que prestaria o serviço. Mesmo assim, nada lhe aconteceu. Não precisou sequer dar maiores explicações. Absolutamente nada! Vive como um rei, passeando por mares de almirante e céus de brigadeiro.
O problema é que a maioria parece enxergar só o momento. São incapazes de vislumbrar um pouco mais além.
Postado por Fernando Barbante

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.