terça-feira, 20 de julho de 2010

O POVO COM A PALAVRA

EDITORIAL: O povo com a palavra



Publicado em 18/07/2010 por Redacao TP - JORNAL TRIBUNA POPULAR

Rate This (CRÉDITOS)

A discussão em torno da proposta da empresa Recife Energia de instalar no Cabo de Santo Agostinho uma caldeira de biomassa ou “incineradora de lixo”, como definem as forças opositoras, promete ainda muitos capítulos. E isso é muito importante que aconteça. Pela polêmica causada, nenhum ponto pode deixar dúvidas e no momento elas (as dúvidas) são muitas, com opiniões de autoridades frontalmente contrárias ao que pregam os defensores do projeto.

Para ampliar a discussão, surge a proposta de se realizar um plebiscito. Significa que, se aprovada a consulta popular pela Câmara Municipal, o empreendimento precisará ter o SIM da maioria da população. Atualmente, apesar de ter crescido a reação à proposta, a discussão ainda se restringe a entidades e audiências públicas, sem a participação popular desejada pelos que dizem NÃO, ao projeto.

Ao propor a realização do plebiscito (em documento protocolado na quinta-feira, 15, na Câmara Municipal do Cabo), o vereador Ricardo Carneiro, o Ricardinho, ressalta que o próprio Relatório de Impactos Ambientais (Rima) deixa claro tratar-se o empreendimento de algo “altamente danoso” para o município, causando problemas de poluição do ar, do solo, dos rios e até sonora.

O presidente da Câmara Municipal do Cabo, vereador Gessé Valério, já afirmou que a Casa Legislativa está atenta à questão e de prontidão para atuar caso seja comprovado que o empreendimento causará “malefícios” à população.

Importante que a Câmara do Cabo vote o pedido de plebiscito logo após a volta do recesso parlamentar (primeira semana de agosto). E mais importante: que aprove o direito constitucional de a população discutir e decidir sobre o tema, que de tão relevante proporcionou a criação recente do Movimento Eco Vida, que reúne 36 entidades e conceituados ambientalistas.

 ISTO  É O QUE FAZ A DIOXINA - O PRESENTE QUE ESTA USIA TRARÁ PARA O  CABO!
Alberto Figueiredo
O que mais desejam os ilustres vereadores do Cabo?


Conforme as palavras do Presidente da Câmara Municipal do Cabo, (que espero não seja a voz da maioria, pois mesmo sendo o presidente não poderá impedir que seja feita isto se os outros não forem apenas lagartixas) Gessé Valério, já afirmou que a Casa Legislativa está atenta à questão e de prontidão para atuar caso seja comprovado que o empreendimento causará “malefícios” à população.


Quer dizer que se for comprovado, tomando por base declarações de técnicos da CPRH e da Recife Energia que jurarão de pés juntos que esta usina não trará malefícios à população o ilustre presidente estará de prontidão para desaprovar a consulta popular?


Que impressionante!


Os vereadores vão ouvir as autoridades ambientalistas do estado e se estas (que são reconhecidamente "por irrestrita obediência ao governo" favoráveis dizerem que esta bomba não trará danos, a câmara rejeitará o pedido de plebiscito?)
Provar que é danoso?
Senhor presidente, com todo respeito que lhe tenho esta declaração é um tiro em vosso honorável pé.
Em todas as audiências, reuniões, encontros que foram feitos para que pessoas, não apenas técnicos, mais de muitos que estudam, estudaram e se informam à fundo dos processos hoje existentes no mundo para esta prática já provaram e comprovaram que é social, ambiental e economicamente inviável, mesmo tendo que ouvir a cartilha decorada e até esquecida (Não sei quais impactos ela pode causar, disse o técnico da CPRH).
Que provas maiores o senhor quer? Sabe-se que em todos os países que esta prática foi adotada, as usinas estão sendo desativadas.
Se o senhor ouvir os técnicos da CPRH eles dirão que este tipo de usina usa uma tecnologia avançadíssima e que não haverá riscos para a população, se ouvir ou LER estudos feitos por dezenas, centenas de técnicos mundialmente conhecidos saberá que não existe um processo 100% seguro. Isto tomando por parâmetros os índices de emissão de poluentes dos países mais exigentes e com milhares de vezes mais responsabilidade de fiscalização que no Brasil, em Pernambuco não se fala.
Que talvez o senhor não seja lembrado como grande vereador é provável mais se esforce ou pelo menos evite ficar conhecido como um dos homens (outros farão parte da tropa de elite) que ajudou a trazer a morte para o Cabo.


Leia presidente, leia não se satisfaça apenas em escutar o que dizem os homens que por um punhado de dinheiro condenam vidas inocentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.