terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

APESAR DAS DIFICULDADES EM NOSSA QUERIDA PONTEZINHA, O BRASIL MERECE ATENÇÃO, ELA NÃO SOBREVIVERÁ SEM ELE.

POR ISSO, LEIAM COM ATENÇÃO TODAS ESTAS MATÉRIAS, QUEM SABE NO MEIO DE DEZ CEGOS UM ABRA OS OLHOS.

 
REMEDIO CONTRA CEGUEIRA N° 01
Xico Graziano* - O Estado de S.Paulo

Pasmem: o Brasil está importando etanol dos Estados Unidos! O país que inventou o Proálcool, pátria dos veículos flex, o maior produtor mundial de cana-de-açúcar, anda de marcha à ré no combustível renovável. Primeiro incentivou, depois maltratou sua destilaria, dando prioridade à poluente gasolina. Um vexame internacional.

Navios carregados de álcool anidro norte-americano começaram a descarregar 100 milhões de litros no Porto de Itaqui (Maranhão). É somente o começo, destinado ao abastecimento do Nordeste. No total, as importações serão bem mais volumosas. Para facilitar, o governo Dilma desonerou de impostos (PIS e Cofins) as compras de etanol no exterior, dando um tapa na cara dos produtores nacionais. Surreal.

Há décadas, na agenda planetária os combustíveis renováveis começaram a se impor nos transportes, preliminarmente, por causa do encarecimento do petróleo. Recentemente, com a ameaça do aquecimento global, nações investiram na busca de energias alternativas, ambientalmente vantajosas diante das de origem fóssil. O sonho dos países desenvolvidos, liderados pela Europa, é esverdear sua matriz energética utilizando fontes solares, eólicas ou oriundas da biomassa. Todos avançaram nas energias chamadas limpas. Aqui andamos para trás.

Tudo caminhava bem. Eleito o PT, no seu primeiro mandato o presidente Lula recebeu George W. Bush usando o boné dos usineiros. Interessado em abastecer o crescente mercado dos Estados Unidos, o setor sucroalcooleiro nacional estava animado. O etanol brasileiro, mais competitivo, ganharia o mundo. Nesse contexto vitorioso, as montadoras lançaram, em 2003, os carros flex, dando mais segurança aos consumidores. Em cinco anos a quilometragem rodada por veículos movidos a etanol ultrapassou os a gasolina, trazendo grande vantagem ecológica. Segundo Décio Gazzoni (Embrapa), especialista em agroenergia, as emissões líquidas de CO2 equivalente causadas pela queima de um litro de etanol somam apenas 400 gramas, ante 2.220 gramas da gasolina. Além da redução do desmatamento na Amazônia, o País também contribuía para a agenda do clima reduzindo as emissões de CO2 na atmosfera em razão do efeito substituição da gasolina pelo etanol. Show de bola.

A partir de 2009, surpreendentemente, entramos na contramão da História. Uma trágica concepção da política pública levou o governo Lula a dar prioridade à a gasolina da Petrobrás, em detrimento do álcool combustível. Ninguém sabe explicar ao certo os motivos dessa reversão. Houve, isso é patente, uma contenção artificial dos preços da gasolina, impedindo, por tabela, o etanol de remunerar seus custos de produção. Pode ter segurado a inflação. Mas quebrou a Petrobrás e faliu o setor sucroenergético nacional. Ao invés de dominar o mercado exportador, o Brasil tornou-se importador de etanol. De milho.

Influenciados pelo movimento ambientalista, os norte-americanos, na Califórnia especialmente, decidiram apostar no combustível alternativo. Sua acertada escolha, porém, exigiu uma mudança técnica com relação ao Brasil: utilizar o grão de milho, e não o caldo da cana-de-açúcar, nas destilarias. Por que razão? Acontece que o cultivo da cana-de-açúcar é próprio das regiões tropicais, onde as lavouras permanecem no terreno por vários anos, sucessivamente colhidas. Nos países temperados, o frio intenso do inverno interrompe o cultivo contínuo dos campos.

Do Golfo do México para cima, geograficamente, as condições climáticas tornam-se restritivas para as espécies vegetais cultivadas de forma "semipermanente", como a cana. Somente sobrevivem ao período gelado as plantas que perdem as folhas sazonalmente, como as frutíferas, por exemplo. Ou certas árvores adaptadas, como os pinheiros. Basta olhar as recentes tempestades de neve nos EUA para verificar a interrupção do ciclo agrícola. Nenhum canavial resistiria àquelas baixas temperaturas.

Sobrou para os gringos triturarem o milho nas destilarias. Colhidas as lavouras e estocados os grãos, o armazenamento permite estender seu consumo meses afora. Montanhas de milho aguardam a hora de ser moídas e fermentadas nas dornas, produzindo o álcool que o mundo adotou como etanol.

Qualquer matéria-prima contendo açúcares ou carboidratos pode sofrer fermentação. Nesse processo químico-biológico, conduzido por bactérias em condições anaeróbicas, o rendimento final é variável. É aqui que o etanol brasileiro vence de goleada seu similar oriundo do milho. Na média, um hectare plantado com cana gera 7.200 litros de etanol; com milho, a mesma área produz 3.100 litros. Essa maior produtividade energética se reflete nos custos e na contabilidade ambiental. Em 2009 a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos divulgou parecer comprovando que o uso do etanol de cana como substituto da gasolina permitiria uma redução de 44% nas emissões de gases-estufa. Com o milho, cairia para apenas 16%. Tudo conspirou a favor do Brasil.

Mas saiu errado. Após um período de forte expansão, com grandes investimentos, chegou a pasmaceira, seguida da quebradeira. Em vez do sucesso, seguiu-se o desânimo. Os carros flex passaram a encher o tanque com gasolina. No interior do País, entre 385 unidades, 100 encontram-se endividadas, praticamente paralisadas ou fecharam as portas. Dezenas de projetos nem saíram do papel. Frustração total.

Lula, em nome do populismo, destruiu uma das maiores invenções brasileiras. As importações de etanol de milho do Brasil configuram o maior fracasso mundial de uma política pública na área da energia renovável. Dilma Rousseff, pregressa ministra de Energia, adota discursos contemporizadores. Está, na verdade, num beco sem saída.

*Xico Graziano é agrônomo, foi secretário de Agricultura e secretário
do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. E-mail: xicograziano@terra.com.br


REMÉDIO CONTRA CEGUEIRA Nº 02

The Game Over
   (O jogo acabou)
 
Grandes conglomerados se juntam contra o PT
 
Por Jorge Serrão, do Alerta Total 
 
Embora as pesquisas amestradas e a propaganda chapa-branca vendam o "fato consumado" de que Dilma Rousseff se reelege (inclusive no primeiro turno), a conjuntura política e econômica real demonstra o exatamente o contrário. A Oligarquia Financeira Transnacional, que controla de fato o Brasil, já decidiu que o ciclo de poder presidencial do PT no Brasil precisa ser encerrado em 2014 – contrariando as previsões ufanistas de Lula da Silva de uma hegemonia petista até 2022.
 
A Petrobras é o calcanhar de Aquiles do governo. Na Assembleia Geral Extraordinária marcada para o próximo dia 16, às 15 horas, no Rio de Janeiro, o PT sofrerá um dos ataques diretos mais contundentes aos seus esquemas. Outro fator que tende a ser decisivo para a derrota do PT ano que vem é a oposição econômica que lhe será promovida pelos maiores bancos. Itaú e Bradesco vão apostar na oposição: Aécio Neves ou Eduardo Campos. Postura idêntica a da Rede Globo (que já começou a pancadaria tirando o emprego de José Dirceu no hotel que seria o QG da campanha de 2014).
 
A sabotagem dos controladores globalitários, promovida nos bastidores econômicos, contra Dilma Rousseff já começou e tende se ampliar no decorrer de 2014. Acusada midiática e justamente de ter derrubado o crescimento brasileiro e aumentado a inflação e a dívida interna, bagunçando as contas públicas, Dilma vai ser alvo de ataques diretos ao seu modelo nada eficiente de gestão em suas empresas símbolos do capimunismo no Brasil: a Petrobras e o BNDES.
 
Dilma corre até o risco de ser responsabilizada, judicialmente, por várias decisões que causaram, vem causando e devem causar ainda mais prejuízos aos investidores da Petrobras. Antes de ser alçada pelo Presidentro Lula para o trono do Palácio do Planalto, Dilma foi a "presidenta" do Conselho de Administração da Petrobras – cargo que é ocupado pelo desgastado Guido Mantega – que já pode ser pintado como o gestor do fracasso econômico da própria presidenta que tenta a reeleição.
 
Investidores da Petrobras – principalmente os internacionais – apostam que o governo não resiste a uma auditoria judicial, séria e independente, em vários negócios: nas refinarias Abreu Lima e Passadena, no Comperj, na Companhia de Recuperação Secundária (CRSec), na Petrobras International Finance Company S.A (PFICO) e na Gemini (caso que agora, surpreendentemente, aparece no noticiário que sempre o abafou. As fragilidades na Petrobrás atingem mortalmente Dilma, Mantega e Lula – padrinho do ex-presidente da empresa, José Sergio Gabrielli, e de seu diretor financeiro Almir Barbassa (no cargo há três governos).
 
Só a petralhada canalha e os petistas fanáticos fingem não perceber que o PTitanic já bateu no iceberg que irá afundá-lo a partir de outubro de 2014. A próxima traição programada contra o PT é o rompimento do pacto com PMDB (partido que funciona igualzinho à Rede Globo: sempre apoia quem está no governo). O movimento de rompimento com o PT será comandado pelo vice-Presidente Michel Temer (maçom que obedece ao que seus mestres britânicos da oligarquia transnacional ordenam) e pelo desesperado Sérgio Cabral Filho (que dará o troco ao "amigo" Lula por investir na candidatura ao governo do Rio do petista Lindberg Farias).
 
O PT não resistirá a 2014. Esta é a aposta dos agentes econômicos internacionais. E se o Brasil não vencer a Copa da Fifa, a derrota programada será socialmente ainda mais desgastante para petistas e petralhas que, a partir de agora, devem investir na procura do bote salva-vidas no PTitanic. Na língua dos controladores globalitários, "the game is over".
 
REMÉDIO CONTRA CEGUEIRA N° 03
 
Hoje dia 23 de fevereiro, está fazendo exatamente 50 anos, que eu fui preso e torturado por comunistas que já se organizavam em Belém do Pará. Foi uma noite de horror, onde apanhei e torturado por um tal de Marco Antônio Mota, que por sinal era filho de um grande maestro paraense, Alberto Mota.

Marco Antônio, tinha como chefe um tal de Dantas Brasil, ex-tenente da Marinha do Brasil, que depois foi preso e expulso por roubo na casa do Brigadeiro Lucival Lage Lobato.

O dinheiro arrecadado era para comprar armas em Paramaribo e Cayene.

O meu crime foi porque em um programa de rádio pela manhã no dia 22 de fevereiro de 1964, eu já alertava sobre as greves, conflitos e agitações no Brasil. Foi no programa do radialista Antonino Rocha, na PRC-5 Rádio Clube do Pará.

Ele depois se elegeu Deputado Estadual no Pará.

Eu estava de férias em Belém. Deixei a capital paraense escoltado e protegidos por soldados da 5ª Companhia de Guardas e por soldados da Aeronáutica, que me levaram até o avião da extinta Paraense Transportes Aéreos, pois o tal de Dantas Brasil, queria colocar novamente as mãos em mim, já que no dia seguinte dia 24, com rosto inchado e cheio de hematomas, devido ao espancamento que eu sofri por parte dos comunistas, inclusive na frente de minha mãe que viu o Dantas Brasil, me esbofetear eu disse que ia denunciar o fato em Brasília.

Felizmente as Forças Armadas, livraram o Brasil de uma ditadura de esquerda.

Nessa semana da minha prisão ocorreram cerca de 10 fuzilamentos em Cuba e isso foi um dos motivos da minha fala no programa do Antonino Rocha, que deixou irado o Dantas Brasil.

Ele foi preso em julho, em uma cidade mineira por um ex-agente da Policia Federal, de nome João Lucena Leal, que hoje vive em Porto Velho e tem um escritório de advogados.

Graças a Deus e a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, estou vivo para contar um pouco desta história que aconteceu precisamente no dia 23 de fevereiro de 1964.

O Brasil foi salvo pelas Forças Armadas, com ajuda do povo brasileiro que tinha medo do avanço dos comunistas em nossa Pátria.

O dia 23 de fevereiro de 1964 jamais será esquecido por mim.

O dia 31 de março de 1964 sempre será lembrado pelo povo brasileiro. Luiz Solano - Jornalista
 
 
          Matéria retirada do sítio AMAN75-83
ISSO É APENAS O COMEÇO
PARA ALGUNS FDPs QUE RECLAMAM QUE EU POSTO MATÉRIAS QUE NÃO SÃO MINHAS AI VÃO MAIS ALGUMAS, É VERDADE, NÃO SÃO MINHAS MAS, TÊM QUE SER REPASSADAS PARA ABRIR OLHOS DE PARCA VISÃO.
NÃO GOSTOU LASQUE-SE, SE LASQUE OU SE LASQUE-SE QUE É SE LASCAR DUAS VEZES PELA FRENTE E POR TRÁS. 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.