segunda-feira, 22 de abril de 2013

AS LEIS FEITAS POR GÊNIOS PARA DEFENDER AS CRIANÇAS E ADOLESCENTES, TORNOU-SE O ALGOZ DESTES


Chamo especial atenção de TODOS para o magistral texto de Waldo Luís Viana, que segue abaixo.

        “ Quanto aos menores, aproveitados

como mão-de-obra barata por traficantes e milicianos,

nosso “futuro da Pátria”

 

O MARTÍRIO DA PORTA ARROMBADA

 “A justiça nada mais é do que um jogo, cujas regras são criadas pelos governantes e fundamentadas em seus próprios interesses.”

PLATÃO

Waldo Luís Viana*

 

         O governo brasileiro positivamente não é preventivo. Ele reflete a tendência cultural do povo, que gosta da última hora, do último dia na fila, como se a sua vida fosse constituída de uma esperteza completa. Não ter tempo pra nada, nem pra cumprir os próprios deveres – eis aí o típico da Nação, exemplarmente refletido por Nélson Rodrigues, nosso Shakespeare de direita: “o brasileiro é um feriado.”

         Ora, se somos um feriado e 90% da população deseja reduzir para 16 anos a maioridade penal, o que faz nosso pobre governo, sitiado pela completa falta de ideias, a não ser a de reeleição a qualquer preço?

         “Não” – diz ele. Como levar os menores tadinhos pro sistema penitenciário adulto, se ele é o descalabro que é? Esquece, no tíbio argumento,  de que, em dez anos de poder, a pelegada aparelhada nada fez pelo sistema. Ele continua degradado e é a cara de nossas autoridades, policiais e juízes, vale dizer, uma cloaca de corrupção, uma universidade de bandidagem sem igual.

         A nossa justiça é “ppp”, ou seja, só prende preto, pobre e prostituta, não necessariamente nessa ordem, e em discussões acadêmicas ou de deontologia jurídica, apressa-se a exibir a toga privilegiada, arguindo velhos argumentos dos anos 1940 para defender os “di menor”.

         Em países desenvolvidos, nem há limite de idade para crimes hediondos: delinquiu, matou barbaramente, vai pra cadeia, em qualquer idade. Aí vêm os juristas do PT argumentar que os menores podem votar pra presidente, mas não devem ser responsabilizados por crimes de sangue, porque não têm “a cabecinha formada”.

         Então, o que ocorre é que se forma, burocraticamente, um limite para a impunidade: eu sou “di menor” e posso matar qualquer um, bastando me apresentar à polícia com a mamãe a tiracolo (“coitado do meu filho, não teve oportunidades!”) e do outro lado uma família enlutada e destruída para quem o Estado acena com um adeusinho.

         Esse quadro, renitente e percuciente, volta a toda hora, à espera de que um “di menor” mate um filho de autoridade: de ministro, governador ou general da cúpula. Mas qual! Eles vivem cercados de seguranças, “comme Il fault!”, e jamais serão atingidos. Seus fins de semana são abençoados por helicópteros, ilhas paradisíacas e sem o alcance da patuléia desagradável das periferias.

         Puxadinho, churrasco, baile funk e música caipira é coisa de pobre desvalido, cuja cangalha misturada sempre arbitra a violência dos baixos instintos, porque a gentalha não pensa, não articula pensamentos na língua-mãe, não conhece sentimentos de cor pastel e, portanto, quando se manifesta é para decidir o mundo através do sistema reptiliano do cérebro, à mercê dos instintos mais vis.

         Uma sociedade que não educa os próprios filhos, a reboque do bolsa-família e de outros artifícios eleitoreiros, infelizmente, senhores, não tem futuro. É um arremedo de sociedade, à procura de um destino. Nós, no Brasil, não temos projeto de civilização, a não ser o de servir a empreiteiras e políticos corruptos em busca de reeleição.

         Para esses, é fundamental remunerar bem os que punem os outros: juízes, políticos e governantes, enquanto a horda dos que nos vigiam, policiais, professores, médicos, enfermeiros, cientistas, jornalistas, escritores e outros, ganham muito mal e não há greve que dê jeito. Esse modelo salarial é invariável, porque a sociedade brasileira, não preventiva para os pobres, prevê o foro privilegiado para os políticos e/ou os muito ricos. São sempre eles que nos punem, mercê inclusive de nossos votos...

         A porta arrombada é o vaticínio de luz das quimeras jurídicas. Sempre uma lei pra tapar um buraco. Será que ela pega? Ou não pega? Vá explicar a um estrangeiro que temos uma pletora de leis que não pegam?

         E julgamentos que demoram um decênio com uma procissão de recursos? Já calcularam os honorários advocatícios e o preço dos recursos? Já imaginaram o desespero dos juízes, ganhando cerca de 30 mil reais, a julgar causas de 180 milhões capitaneadas por louros de olhos azuis? Como coça a consciência da natureza humana, não é? Que desespero, meu Deus...

         Confiar na justiça brasileira e nos governantes que gerem todas as portas arrombadas é um verdadeiro exercício patriótico de hipocrisia. O cidadão que fica reclamando nas filas de bancos ou por linhas telefônicas (com intermináveis musiquinhas) sabe muito bem que o seu destino é ser enganado pela molecagem superior.

         Na verdade, o brasileiro gosta e admira os ladrões e infelizmente – devo dizer, apesar dos muitos que não me pouparão – que nossa representação política é ainda melhor do que o povinho que a elege.

         O brasileiro é deseducado, safado, hipócrita e merece o que tem. Para nós, quanto mais ladrão, mais querido – uma lei inelutável da nossa cultura macunaímica e bandidesca.

         Enquanto for assim, não haverá saída, porque numa sociedade em que todos querem levar vantagem, quem escapa para cima recebe a aura do encanto e o perdão dos miseráveis.

         Quanto aos menores, aproveitados como mão-de-obra barata por traficantes e milicianos, nosso “futuro da Pátria”, como não têm eira nem beira, serão a massa do martírio, a nossa mais veemente porta arrombada, demonstrando na prática o quanto fracassamos como sociedade.

         E o futuro, com certeza, cobrará nossa responsabilidade, sem, contudo, evitar a procissão dos mortos que ainda hão de vir...

         Até quando, meu Deus???

____

Waldo Luís Viana é escritor, economista e poeta, consciente de que clama no deserto e sempre serve a causas inúteis...

Teresópolis, 13 de abril de 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.