quarta-feira, 13 de março de 2013

AS CHUVAS VÊM POR AI, DEPOIS NÃO DIGAM QUE NÃO SABIAM DE NADA

 
 
ESTE POSTE.
DERRUBADO POR UM VEÍCULO, FOI SUBSTITUIDO, COMO SE NÃO BASTASSE TODO O PROBLEMA QUE OS MORADORES ENFRENTA NO PERÍODO DAS CHUVAS DEVIDO "CONSTRUÇOES IRREGULARES" QUE SE TORNAM REGULARES COM BONS PAPOS E ALGUMA TROCA DE FAVORE E GENTILEZA, A CELPE AO TROCAR O DITO CUJO, COLOCO-O DENTRO DA CANALETA, EXATEMENTE A CITADA EM TODAS AS MATÉRIAS ABAIXO.
"AGORA, VAMOS ESPERAR AS CHUVAS, AS IRREGULARIDADES NÃO FORAM SANADAS, E A CELPE TERMINOU DE COLABORAR COM O ESTANGULAMENTO DA VAZÃO.
NISSO NINGUÉM TEM CULPA, AFINAL ESTA TODO MUNDO SEGUINDO O MESTRE, NÃO VIU NADA, NÃO SABE NADA, APESAR DE TODAS AS PROVAS ABAIXO.  
  

quinta-feira, 12 de maio de 2011

MORADORES DE PONTEZINHA PEDEM SOCORRO

Tudo isso por não ser dada a devida importância aos reclamos das ruas, como se secretários fossem deuses que o povo, como diz a bíblia se referindo ao Deus verdadeiro; “Nenhum homem pode ver DEUS e continuar com vida”. Ef.Ex.24.10;33.20 JZ 6.22s 13,22 s


11/05/2011 - 18 : 44:23
Moradores de Pontezinha pedem socorro à prefeitura
Segundo eles, construção irregular em um mini campo causa inundação na rua e invade as casas.
PORTAL PINZÓN
ALBERTO FIGUEIRÊDO / PORTAL PINZÓN

2ª Travessa da Merendiba recebe água pluvial que fica retida

Por Leandro Bezerra

Moradores da 2ª Travessa da Merendiba, no bairro de Pontezinha, no Cabo de Santo Agostinho, reclamam da situação desesperadora que estão enfrentando com constantes inundações em suas residências. Segundo eles, uma construção irregular em um mini campo de futebol Society e uma residência, sobre o canal que recebe as águas pluviais da travessa e ruas adjacentes, estão obstruindo a passagem da água e causando muitos transtornos a várias famílias.

Em documento dirigido à Regional 3, da Prefeitura Municipal do Cabo de Santo Agostinho, no dia 02 de maio desse ano, dezoito moradores em abaixo assinado solicitaram providencias em caráter de urgência, e relataram o ocorrido na noite de 29 de abril passado, quando enfrentaram uma situação verdadeiramente caótica, de muito desespero e aflição.



MORADORES DESESPERADOS

"Era tarde da noite e chovia muito, e aos poucos vi minha casa sendo invadida pela água chegando a atingir meio metro de altura. Foi uma agonia, um desespero e passamos a madrugada inteira carregando móveis e procurando nos acomodar", enfatizou o Sr.José Francisco de Lira Junior, conhecido por "Chico", que disse estar sofrendo esse tormento devido a uma construção irregular num mini campo de futebol society e uma residência. "Simplesmente os proprietários construíram irregularmente na área que servia de escoamento da água e colocaram uma tubulação com dimensões pequenas. Acontece que quando chove muito e a quantidade de água que desce pelas galerias aumenta, a água fica represada e inunda as residências", concluiu.

A moradora Maria Rosilene Lopes da Silva, disse que em seu imóvel a água chegou a um metro de altura. "Os móveis ficaram totalmente submersos e tudo indica que não serão recuperados. É lamentável que bens adquiridos com tanto esforço sejam destruídos por atitudes irresponsáveis de algumas pessoas, culminando com a irresponsabilidade do poder público que não toma qualquer providência", lamentou.


Kacio Darnley Bino de Paula Barbosa, vizinho do mini campo, que entrou com queixa no I Juizado Especial Civil do Cabo, é o mais prejudicado com a situação. "Tentamos por todos os meios possíveis conversar com os causadores do problema, os senhores Demétriu Moizés da Silva e José Honorato de Moraes, este último proprietário do mini campo, mas de nada adiantou. Minha residência fica ao lado do mini campo, e, além disso, o muro por mim construído foi também utilizado de forma irregular para erguer os vestiários, inclusive colocando janelas que davam para a minha casa, tirando a privacidade de minha família", relatou o morador que foi mais além. "Será que a prefeitura só vai tomar uma resolução se a justiça determinar? Seria lamentável!", concluiu.


Alguns moradores que residem no local há 35 anos, são unânimes em afirmar que jamais presenciaram coisa parecida. "Aqui sempre foi um lugar muito bom de morar, mas depois dessa construção a situação ficou muito complicada e nosso sossego acabou, principalmente nos períodos chuvosos", comentou José Irapuã Bezerra de Menezes.

D.Francisca Barbosa, disse que é lamentável que a prefeitura não tome nenhuma providência. "Não entendo como uma situação dessas aconteça deixando os moradores aflitos e desesperados".

PREFEITURA JÁ TINHA CONHECIMENTO

Embora a situação tenha se complicado ainda mais com as recentes chuvas, o caso já vem se arrastando há algum tempo.

Em 11 de agosto de 2009, os moradores Kácio Darnley Bino de Paula Barbosa, Otávio Rodrigues do Passo e Francisco Gomes de Lima, em ação conjunta, encaminharam documento a Prefeitura denunciando o fato e pedindo providências. O documento foi enviado à Gerência da Regional 3, a cargo do Sr. Edmilson Dutra, com cópia para Edson Mafra Luna (Coordenador de Fiscalização Urbana) e Dra.Vera Cristina de Souza Leão Tenório (Secretária Municipal de Planejamento e Meio Ambiente-SMPMA), mas, segundo os moradores nenhuma providência foi tomada.

CAUSA NA JUSTIÇA

Kacio Darnley Bino de Paula Barbosa, vizinho do mini campo, disse que não vendo nenhum interesse da prefeitura em resolver o problema, entrou no dia 23 de outubro de 2009 com queixa no I Juizado Especial Civil, solicitando além da demolição da obra, a retirada das janelas construídas em seu terreno.

A CAUSA DO PROBLEMA
O Juizado intimou a Prefeitura para apresentar laudo oficial sobre a real situação dos terrenos dos litigantes e a regularidade das construções, ampliações e reformas das benfeitorias, designando audiência de instrução para o dia 06 de dezembro de 2011.

MÃO AMIGA

Procurado pela comunidade, o morador do bairro, Alberto Figueiredo, também responsável pelo blog: defensores de Pontezinha, enviou vários e-mail"s para diversos secretários municipais relatando sem sucesso a situação. Dentre outros, foram cientificados os secretários Lula Lima(Defesa Social) e Raimundo de Souza Nascimento(Regional 3).

COMENTÁRIO DE ALBERTO FIGUEIREDO


Muito antes, no início da construção ao ver que estavam canalizando o canal com tubos de 0,50 m. procurei as pessoas responsáveis na época pelo CAC e pedi que verificassem o serviço por que com certeza esta ação traria problemas, pois, como se pode esperar que as águas fluviais de seis ruas passem por um tubo de 0,50 fazendo ainda uma curva de 90º?


Nada!


Muito tempo depois, vendo que nenhuma providência era tomada escrevi para a defesa civil do Cabo - Ana Sandra, dando ciência do fato e explicando meu temor.


Ficaram de vir até aqui e verificar, nunca vieram.


Da mesma forma a regional 3, e a fiscalização de obras. Esta veio e verificou a irregularidade da obra, depois o Sr. Kacio foi procurar o laudo mais nunca teve acesso a este, encontrava-se na coordenadoria de análise e aprovação de projetos mesmo assim nunca conseguiu.


Mas que a fiscalização lá esteve é certo eu vi e ouvi os ficais dizerem que realmente a construção era irregular, principalmente por terem construído sobre o muro de outra pessoa instalações do campo.


Como muitos acham que qualquer cidadão que aponte um erro é contra o governo e não uma pessoa que procura ajudar mostrando e evitando tragédias e transtornos, resolvi calar até mesmo por que nunca obtive resposta as minhas solicitações (todas enviadas por email, algumas com respostas).


Mas, novamente procurado pelos moradores prejudicados, levado até o local na hora que estava acontecendo o problema, ver o drama, o prejuízo e a situação de senhoras idosas, pessoas doentes dentro d’água ás 01:00 da manhã, resolvi voltar a comunicar o fato. O resultado foi o mesmo.


Cansados os moradores pediram socorro ao Pínzon, pois, a prefeitura não adiantava e o jornal compromissado com a comunidade cabense, imparcial e defensor da verdade apurou o fato, ouviu os prejudicados e hoje leva ao conhecimento das autoridades e do povo este descaso com o drama dos cidadãos.


Ainda não estamos no inverno e os transtornos já começaram.


Irá realmente a prefeitura esperar até dezembro (data marcada para audiência, nota-se a rapidez da justiça), independente que várias famílias sofram e tenham prejuízos, isso se entre os muitos atritos entre prejudicados e causadores não levar a coisa pior, quem fica calmo vendo seus bens destruídos e sua casa invadida pela água por que um morador desejou aumentar seu quintal e outro construir seu minicampo?


De uma coisa tenho certeza, se a água invadisse a casa de um parente de secretário até a grama artificial do campo já estaria no inferno.
sexta-feira, 15 de julho de 2011

AÇÃO URGENTE - MPPE - PREFEITURA - JUSTIÇA

HOJE TEM MAIS!
NÍVEL DAS ÁGUAS NA ENTRADA DAS CASAS

DESSA VEZ A A´GUA CHEGOU AO BAR DO "IA" 200 HÁ METROS DA OBSTRUÇÃO
Que a justiça no Brasil corre como tartaruga quase morta, todos sabemos, mais existem casos que devem receber atenção especial, a situação dos moradores da Travessa da Merendiba em Pontezinha é uma delas.

Prefeitura, pelas secretarias de meio ambiente e obras, defesa civil, justiça cujo processo, 1882/2009 corre deste aquela data sem uma definição de acordo com a urgência que merece, visto que dezenas de pessoas incluídos, crianças, idosos, doentes. Famílias inteiras, moradores desse logradouro, e que nunca tiveram problemas com inundações, hoje vêm suas casas invadidas tendo que retirar os idosos doentes carregados tudo provocado pela obstrução do sistema de vazão das águas de seis ruas por uma obra visivelmente irregular.

"O que se ouve todos os dias em que as águas invadem a rua e as casas: É a comprovação que quem tem dinheiro e padrinho forte nesse país tudo pode, se fosse construção de um pobre já estaria no chão".

Todo mundo já esteve aqui: Da prefeitura, fiscalização, defesa civil, pessoas ligadas ao MPPE e todo dia de chuva dezenas de pessoas sofrem por falta de uma ação concreta.

A fiscalização da prefeitura já esteve aqui e comentou com os moradores: A obra é irregular, ficou nisso, a justiça enviou à prefeitura um ofício pedindo a aferição das reais delimitações dos terrenos localizados ma SEGUNDA TRAVESSA DA MERENDIBA, este ofício sequer é encontrado na secretaria responsável num flagrante desrespeito a autoridade judicial.
ORDEM NUNCA CUMPRIDA

O Portal Pinzón fez matéria mostrando o drama e prejuízo causado aos moradores, e tudo continua como esta.
Como se pode ter uma visão diferente da justiça se, quando acontece um fato desses, a solução demora infinitamente?

Ponham-se senhores, secretários, juízes, promotores no lugar dessa gente e vejam como têm razão em afirma que a justiça é ainda mais lenta que de costume quando de um lado estão pobres e do outro ricos com “costas quentes”, vejam as fotos, ponham-se no lugar deles e veja que indignação é muito pouco.
È caso como este que se tem certeza que a venda da justiça é transparente.
terça-feira, 13 de setembro de 2011

CONSTRUÇÕES IRREGULARES EM PONTEZINHA PREJUDICAM POPULAÇÃO


14/09/2011 00:44:40
Prefeitura reconhece, não toma providência e população sofre com alagamentos
Por Leandro Bezerra
Construções irregulares em Pontezinha prejudicam população Prefeitura reconhece, não toma providência e população sofre com alagamentos
A construção irregular de uma residência e um mini campo de futebol society na localidade de Pontezinha, no Cabo de Santo Agostinho, tem levado várias famílias da 2ª Travessa da Merendiba, a um grande sofrimento e desespero.
Os moradores há muito reclamam das constantes inundações em suas residências, devido às construções irregulares sobre o canal que recebe as águas pluviais da travessa e ruas adjacentes, que estão obstruindo a passagem da água e causando muitos transtornos a várias famílias (fotos 1 a 3).

Desesperados, os moradores apelaram para tudo e para todos, e sem obter êxito, finalmente o caso foi parar na Justiça que intimou a Prefeitura Municipal do Cabo de Santo Agostinho a expedir laudo técnico sobre a situação dos imóveis.
Laudo técnico
Conforme ofício 039/2011, da Prefeitura Municipal do Cabo de Santo Agostinho, datado de 11 de julho de 2011 (foto 7), encaminhado à Justiça e assinado pela Engenheira Civil, Mayre Jane Cavalcanti(CREA-031533D/PE), em vistoria realizada nos locais, foi detectado que os imóveis realmente se encontram em situações irregulares.O imóvel residencial de propriedade do Sr.Demétrio Moisés da Silva de acordo com a escritura apresentada possui uma área total de 429,00m2, enquanto na vistoria foi detectada uma área total de 586,42 m2, o que corresponde a utilização irregular de uma área de 157,42 m2, equivalente a 26,84% a mais da área a ele pertencente. Diz ainda o laudo, que no local foram encontradas diversas construções de comércio na frente da residência do proprietário, construídas irregularmente .
Já no imóvel onde foi construído o mini-campo de futebol society, de propriedade do Sr.José Honorato Morais, que possui de acordo com a escritura apresentada uma área total de 850,00 m2, foi detectada na vistoria uma área total de 1.003,59 m2, sendo utilizada irregularmente uma área de 153,59 m2, equivalente a 15,30%.
No laudo consta ainda que o campo de futebol society não possui licença de funcionamento
* Nota do autor do blog: Pequenos comerciantes, às vezes famílias, sem empregados fazem em parte de suas residencias pequenos
comércios, buscando melhoria de renda ou de onde tirar o sustento sem ter que recorrer a ações sociais dos governo municipal, estadual ou federal, deixando para outros muito mais desfavorecidos, ou fazendo melhorias em seus pequenos imóveis são rapidamente notificados para que providenciem a licença de construção e/ou de licença de funcionamento, no entanto, empreendimentos desse porte, são construídos e operam sem licença.


Demolição


Após a vistoria e detectada a utilização de áreas superiores as das escrituras apresentadas, a Engenheira Civil, Mayre Jane Cavalcanti, considerou a necessidade da demolição dos equipamentos existentes no local e a execução de um estudo de macrodrenagem, além da construção da drenagem para toda área em questão .Entenda o caso
O Portal Pinzón com o apoio do blog: Defensores de Pontezinha, dirigido pelo morador, Alberto Figueirêdo, que vem abraçando com unhas e dentes a causa, publicou no dia 11/05/2011, a matéria conforme link abaixo:
http://pinzon.com.br/index.php?i=5&c=5&n=9922

A justiça pediu laudo técnico, já o tem. Resultado: Demolir, fazer estudo e refazer a macrodrenagem da área, que falta agora?

VAI CHOVER! COMEÇAM OS TRANSTORNOS.


Ao primeiro sinal de chuva, móveis levantados, sono adiado - FOTO MADRUGADA DO DIA 23/05


Pelo menos dez moradores de 2ª Travessa da Merendiba aqui em Pontezinha já sabem que não poderão dormir.

MADRUGADA 23/05


Mesmo depois de terem quebrado parte do muro que obstrui as águas e contarem ainda com a boa vontade de um dos moradores que abre seu portão para que as águas escoem a vazão não é suficiente.
Ontem 23/05 uma equipe da prefeitura veio analisar o problema, fotografaram tudo e mesmo que venham a negar no futuro, quem estava por perto ouviu quando um deles disse: É irregular. Mesmo que hoje 24/05, outra equipe tenha vindo e feito uma porção de medições, fica nos moradores aquela dúvida que recai sobre 90% dos brasileiros quando mesmo prejudicados lutam contra o poder financeiro.
MORADOR ABRE PORTÃO PARA FACILITAR A PASSAGEM DA ÁGUA POR SEU TERRENO
Assim fica a pergunta: Até quando terão que conviver com tanta adversidade causada apenas por dois homens?

SABEMOS QUE A PREFEITURA ESTA TRABALHANDO PARA CORRIGIR O ERRO POR TER DEIXADO ESTA OBRA TER SIDO TERMINADA APESAR DOS MUITOS AVISOS ENVIADOS AS SECRETARIAS RESPONSÁVEIS, das irregularidades e das consequecias advindas da canalização em 0,50 de toda esta água.

Pois que sejam responsáveis, admitam que sempre tivessem conhecimento desse desmando mais fizeram vista grossa, afinal pelo menos um dos responsáveis é bem visto (financeiramente)

E não adianta negar, sabiam muitas fotos do início da obra foram entregues as secretarias responsáveis por um funcionário da própria prefeitura (hoje não é mais, foi aproveitado pelo outro lado), não compartilhava da quase norma existente que para ser bom funcionário tem que sempre dizer que tudo esta correndo bem, lindo, maravilhoso, mesmo que o mundo esteja desabando sobre os cidadãos.

Resta saber: QUANTO TEMPO LEVARÁ PARA QUE AS ÁGUAS VOLTEM AO SEU CURSO NORMAL?

OU VÃO PROCURAR UMA MANEIRA DE FAZER ISSO SEM CAUSAR TRANSTORNOS AOS MAIS ABASTADOS ENQUANTO OS DEMAIS TERÃO QUE SE ADAPTAR A VIVER COMO PEIXE.


terça-feira, 19 de julho de 2011

DIGO HÁ TRÊS ANOS: MELHOR PREVINIR QUE REMEDIAR

BLOG: CABOEMALERTA - 19/07/2011


Há muito venho dizendo que é melhor prevenir que remediar.

Na imagem a área circunscrita esta sendo aterrada, sabemos que o cidadão proprietário do terreno tem todas as licenças necessárias e exigidas, mas, estas licenças têm limites, distâncias que devem ser obedecidas de cursos d”água entre outras.


Não pode um só homem destruir e prejudicar dezenas de moradores antigos com sua ganância e busca do lucro rápido.
O aterro que esta sendo feito, destruiu com o passar dos caminhões as galerias da prefeitura por onde as águas pluviais de dezenas de ruas desaguavam no canal. Como se não bastasse, construiu um muro exatamente por onde passava, aterrou a área de mangue (com licença do CPRH-IBAMA- PREFEITURA) que desprezaram a defesa do meio ambiente e do bem estar de cidadãos cabenses no intuito de satisfazer a ânsia de enriquecimento de um só homem.
Que as licenças foram dadas sabe-se, quanto custaram ai é outra coisa, quantos crimes ambientais esta sendo cometido sob as barbas desses órgãos sem que nada seja feito, fiscais vêm e se vão (felizes), é normal num país comandado por crápulas com seguidores em todos os níveis administrativos.
Inclusive aqui em Pontezinha este fato é apenas repetição, a construção de um só homem está prejudicando há mais de ano dezenas de famílias e nem fiscais, prefeituras e justiça se dignaram a resolve o problema com a presteza que se faz necessária.
Certo que as leis são ineficazes quando seus guardiões são inescrupulosos riem e aumentam suas fortunas à custa da desgraça de outros. Dessa vez o problema não será apenas por crimes ambientais e de corrupção, levará, agora centenas de famílias a situações aterradoras, as águas sem terem mais para onde correr invadirão suas casas, tudo isso por falta de uma fiscalização e aplicação de leis com correção.
Ninguém, nenhuma família vai dizer que o senhor (ambicioso que esta aterrando e provocando o desastre é o culpado), todos dirão que o culpado é o prefeito (mesmo que talvez nem saiba o tamanho do desastre que esta por ocorrer porque seus fiscais são benevolentes e as pessoas encarregadas da aplicação das leis municipais não encontram (apensar de existir a lei de ocupação e uso do solo), facilmente aplicáveis quando um pobre quer levantar seu barraco, mais, ineficaz quando os ricos prejudicam os cidadãos que vivem, e mantêm a cidade e os salários dos que deveriam defendê-lo).
Esperemos, vamos esperar que o desastre aconteça para depois disso ouvirmos as mesmas ladainhas que ouvimos dos governantes em tragédias provocadas por forças naturais e tão previsíveis quanto esta.
Todos sabem, vêm, vão esperar primeiro que ocorra o fato e a população indignada cobre ações que há muito deveriam ser postas em prática.
Senhor Prefeito, com licenças ou não, sua obrigação primeira é defender seus concidadãos, o inverno não esta por acabar é sabido, acautele-se, verifique, imponha a força do poder executivo em defesa do seu povo. Se revirar ou açoitar o mato, decerto muitos coelhos sairão correndo, e talvez muitos deles estejam nas ante-salas do seu gabinete ou na pior hipótese ao seu lado dizendo a seus ouvidos: Em Pontezinha tudo esta correndo muito bem.
Não sou vereador, candidato ou qualquer outra coisa (pelo menos não até quando a política estiver sendo exercida por vândalos), apenas um cidadão que não se cala diante de injustiças e soberba.
O Senhor tem a palavra, seus secretários idem, isso é se algum deles se dignar a pelo menos verificar para se certificar que o desastre é iminente.
Nós sabemos que ocorrerá da mesma forma que já esta ocorrendo na Travessa da Merendiba.
O Senhor sabe? Já recebeu um relatório? Verificou que dezenas de pessoas estão padecendo apenas para que um só seja beneficiado, o povo sabe, conhece, já fala (mesmo em surdina, que breve se tornará grito) que tudo se faz para defender um compadre.
Quando os sussurros virarem gritos não diga que não foram avisados.
Alberto Figueredo
(Email enviado aos secretários que de alguma forma são responsáveis por áreas do poder que lidam com estas coisas e ao prefeito Lula Cabral em 18/07/2011)



O transito na Av. Vereador Horácio Ferraz em dias de chuva fica insuportável, tudo graças a um aterro ao lado do posto de gasolina, um absurdo o DESCASO DA PREFEITURA! em visita a Pontezinha durante as fortes chuvas do mês de junho, constatei tudo aquilo que o morador Alberto Figueiredo relata, na Câmara fiz um pedido de ALERTA ao Prefeito sobre tal situação, que até o presente não deu a minima.
________________________________________________________________________________
Volto a alertar os caminhões carregando lama para o bendito aterro voltaram a circular, estou aguardando fotos onde se pode constatar que até caminhões limpa fossas foram usados nesse aterro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.