segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

COMO JÁ DEVERIA ESTAR A ESTRADA DE CURCURANA CASO O VENTO NÃO LEVASSE O DINHEIRO DA OBRA!

MATÉRIA RETIRADA DO BLOG CABO EM ALERTA


VIOLÊNCIA SE ESPALHA NAS PRAIAS DO CABO
Povoação e explosão econômica da região provocam mazelas comuns nas cidades grandes

Do Jornal do Comércio
Bruno Albertim

De um lado, a Reserva do Paiva, um eldorado litorâneo onde o aluguel de uma casa de cinco quartos, 800 metros quadrados, pode custar R$ 30 mil por mês. Na outra extremidade, o Complexo Industrial Portuário de Suape, símbolo da decantada redenção econômica que pode, numa perspectiva cheia do otimismo provocado pelo assunto, tornar o PIB pernambucano equivalente ao de todo o Nordeste em duas décadas. Entre o luxo e o porto, há um conjunto de praias onde quintais viram cortiços, invasões ocupam matas, favelização e águas cristalinas são tão comuns como a violência típica dos subúrbios do Recife. Assaltos e homicídios constantes como coqueiros. Agora, no Cabo de Santo Agostinho, o terror tem vista para o mar.

“Nunca mais volto numa destas praias”, diz o montador Marcelo Alexandre da Silva, 40 anos. No dia 23 de outubro, o funcionário da Odebrecht foi encontrado semimorto, depois de ter a casa assaltada em Enseada dos Corais. Milagrosamente, recupera-se de um traumatismo que deixou a cobertura do crânio frágil como a de um recém-nascido. “O médico disse que se um caju cair na minha cabeça, morro”, comenta. “Ali, não tem uma semana sem homicídios. Não deixo amigo ou parente passear naquela região.” Marcelo havia se mudado para o litoral porque, além de estar perto do trabalho em Suape, pensava em recuperar a qualidade de vida que o Recife violento e engarrafado não permitia. Uma ilusão litorânea.

Enquanto Suape não faz o PIB de Pernambuco pular dos atuais R$ 80 bilhões para R$ 400 bilhões e um Plano Diretor para a zona de influência do complexo não passa de uma série de projetos em rascunho, sobram mazelas sociais nunca vistas desde que o porto surgiu há 33 anos. “Isso aqui parece o paraíso. Mas é o inferno disfarçado”, compara o alemão Gerard Sattelmayer, 56, com residência provisória em Gaibu. Mora na praia enquanto trabalha num sistema de engenharia industrial no Centro do Cabo. Ele já viu dois tiroteios diante das piscinas naturais que emolduram a janela de sua suíte. “Só saio do hotel para o trabalho”, afirma o engenheiro. “Vi um homem matar duas pessoas na praia e sair andando.”

Longe de ser privilégio de um gringo facilmente identificável para bandidos em busca de desavisados, a violência é rotina da gente bronzeada que se confunde com a paisagem. “A Ponte do Paiva, infelizmente, não trouxe só o progresso”, diz o comerciante Eduardo de Carvalho, 42. Morador de Itapuama, ele foi viver no balneário, há 18 anos, em busca de sossego. “Agora, ninguém tem coragem de ficar na rua à noite.” Com o sereno, o silêncio é total na vila. Luzes acesas indicam moradores trancados em casas. O medo alterou os hábitos locais. “Ninguém daqui vai à praia aos domingos. Vez ou outra, há tiroteios.”

A violência não é apenas uma ameaça à vida do comerciante. Virou história concreta. No começo do ano, um homem foi morto na loja que alugara no térreo de sua residência. “Meu inquilino sofreu dois assaltos em menos de 15 dias no restaurante que montou. No último, o noivo de uma funcionária foi assassinado.”

É notória a diferença entre as praias vizinhas do Paiva e de Itapuama. Nos 8,5 quilômetros do Paiva onde, segundo o slogan, “Um estilo de vida único espera por você e sua família no primeiro bairro 100% planejado de Pernambuco”, seguranças e câmeras discretas mal atrapalham o canto dos pássaros. Nas outras praias, puxadinhos e casebres encastelam-se uns sobre os outros. Esgotos correm na rua. E, mais que isso, sobra gente. Muita. E de sotaques variados. São pelo menos 47 mil homens envolvidos nos três maiores equipamentos econômicos do complexo.

Nos bastidores, comenta-se que, para cumprir as metas ousadas, Suape saiu contratando desesperadamente peões de fora do Estado. Sem critérios. “Todo mundo aqui sabe que os canteiros estão cheios de bandidos com documento falso. À boca miúda, sempre um comenta que outro tem um, dois homicídios nas costas”, diz, em reserva, um funcionário do estaleiro.

As ocorrências se multiplicam como ondas. Há três meses, a fotógrafa Luciana Ourique foi amarrada numa árvore com mais três amigos por assaltantes. Abordados depois de passar o dia na paradisíaca Calhetas, teve o carro roubado. “Eu ia duas vezes por mês com meus filhos. Nunca mais volto àquela praia. É muito triste.”
E não é de agora. Há mais de um ano, a arquiteta Vera Pires foi feita refém com mais 12 argentinos hospedados em sua casa, em Enseada dos Corais. “Os bandidos eram de fora.” Enquanto forasteiros invadem o litoral, veranistas evitam suas casas. “Quem tem casa por lá, vai pouco, e com medo”. Onde antes havia muros baixos e gramados, surgem grades e cercas elétricas. Saem cabanas e terraços. Chegam muralhas à beira-mar.

Estudioso do assunto, o cientista político José Maria Nóbrega diz que houve redução de homicídios no Cabo, nos últimos três anos. “De 2008 a 2010, o número de assassinatos caiu de 169 assassinatos para 126.” Mas ele pondera: “Isso não quer dizer que não tenha havido aumento localizado de ocorrências”, diz, lembrando de um movimento clássico da criminalidade. “Se há aumento específico de riqueza numa área, há também um aumento da bandidagem atrás de oportunidades criminosas. O crescimento econômico de um Estado, dada a fragilidade de seus aparatos coercitivos, aumenta sim a violência”, analisa o autor de Homicídios no Nordeste Brasileiro, a ser lançado pela Universidade Federal de Campina Grande.

Segundo dados oficiais da Secretaria de Defesa Social, apesar de ter havido uma redução significativa de 26,2% no número de homicídios, entre 2008 e 2009, o Cabo de Santo Agostinho teve um ligeiro aumento (1,1%), na quantidade de assassinatos no biênio seguinte. Também sob a influência de Suape, Ipojuca teve redução de 16,1%. “Como o Cabo abriga maior parte dessa nova população, as ocorrências criminais tendem a se concentrar ali”, reconhece o titular da Defesa Social, Wilson Damázio. O secretário anuncia que, diante do quadro, dois grandes centros integrados de segurança serão implantados no próximo ano no Cabo. Um deles no complexo industrial.

COMENTÁRIO DO AUTOR DESTE BLOG:- Alberto Figueiredo

E ainda aparecem gênios das lâmpadas apagadas que querem dividir o ICMS gerado por SUAPE entre todos os municípios, continuo dizendo, pode até ser daqui a dez anos quando Cabo e Ipojuca tiverem se adaptado e se estruturado corretamente, as duas serão as primeiras vítimas do crescimento desordenado. Muito pelo contrário, os governos federal e estadual deveriam investir para que esta estruturação fosse feita o mais rápido possível. Isso é quase impossível devido a período. Estamos a um ano de eleições municipais e muito das verbas que porventura aqui cheguem, serão desviadas para campanhas políticas. A PMPE que faz o policiamento preventivo já deveria ter triplicado de efetivo, obras importantes ficam paradas levando os contribuintes à loucura (Estrada de Curcurana).Pontezinha quase duplicou o número de habitantes, ainda não tem uma delegacia ou policiais de moto ou bicicleta patrulhando ás ruas diuturnamente, a droga toma conta de tudo, crianças se vêm atraídas pelo dinheiro fácil quer delas ou da prostituição, bares abrem às portas dos colégios.
D e de quantos homens dispõe a PMPE (18° batalhão) para manter a ordem em todo o município, podem mandar o mais competente na área de segurança, de mãos atadas pela falta de recursos, ninguém conseguira nada, já devemos dar graças a Deus por termos um comando atuante e com pés no chão. Mais isso não basta ou antes, muito antes de atingirmos 200 bilhões metade do Cabo e Ipojuca terá virado praça de guerra, cidadãos morrendo às portas dos postos de saúde, crianças sem escolas e desastres provocados por falta de estrutura rodoviária e mais favelas em quase todas as áreas do município
Sabem porque é tamanha minha indignação?  
DE ONDE SAIU ESTA FOTOMONTAGEM? 
NOTEM A ESTRADA DE CURCURANA VEM DA PRAIA À BR101 SEM CURVAS E COM SAIDAS LARGAS. 



NOTEM NÃO É COISA NOVA



EU NÃO INVENTEI ISSO



ENTÃO! PORQUER TRABALHADORES, MOTORISTA, PEDRESTRES, MORADORES OU NÃO DOS LOCAIS CORTADOS PELA ESTRADA DE CURCURANA SOFREM DIARIAMENTE COM ENGARRAFAMENTOS E RISCOS DE VIDA?
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.